Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

05
Jan20

#1/2020 - Fora de si, Sasha Marianna Salzmann

livrosparaadiarofimdomundo

Wook.pt - Fora de Si

Género: romance (de família e de formação)

Editora. D. Quixote

424 páginas

 

Este Fora de si, de Sasha Marianna Salzmann foi a primeira leitura de 2020. Este livro "aconteceu-me" na Bertrand de Leiria, quando passi só para ver, como sempre. Entretanto, estes meus olhinhos cairam em cima do Augustus, que está na minha lista dos livros a ler, e fiz o que faço sempre quando "talvez vá comprar um livro", comecei a andar pela livraria com o Augustus na mão, até que decidi comprá-lo. Na prateleira das novidades, estava o romance de Sasha Salzmann e peguei-lhe e li a sinopse. Por baixo do livro, havia uma plaquinha com um breve texto de Maria do Rosário Pedreira, em que esta afirmava que tinha ficado agarrada ao livro e que tinha gostado muito, muito. Mas que espertos estes senhores da Bertrand! Ainda assim, fui para a caixa com o Augustus. Só que na hora de pagar, arrumei o que tinha na mão e fui buscar este.

Há algumas curiosidades sobre a história deste livro: é uma obra de estreia que, inesperadamente, foi nomeada para o Prémio do Livro Alemão, parece que é raro isso acontecer. Além disso venceu o Prémio Jurgen Ponto e já está traduzido em vários línguas. Também a tradução foi premiada com o Grande Prémio de tradução literária Francisco de Magalhães APT/SPA 2019. Por último, o tradutor dirige ainda um agradecimento a José Milhazes pela ajuda na compreensão de determinadas expressões russas que surgem no original e para a forma como o ajudou a perceber a cultura russa. É, assim, um livro com uma biografia interessante.

A obra conta-nos a história de uma família, incluindo no relato os bisavós, os avós e os pais da protagonista Áli, Alissa e é nesse resgate da memória familiar que a personagem procura o conhecimento de si mesma, talvez um lugar de ancoragem. Há uma frase que funciona nitidamente como mise en abîme  da narrativa: "a dada altura apercebo-me que se pode impingir às pessoas seja que história for. Elas querem é ouvir histórias. E então que paguem por isso, as histórias de famílias trágicas, sobretudo, rendem bastante."

A história desta família é conturbada, como só poderia ser a história de uma família judia nos anos da 2ª Guerra Mundial (embora não seja essa a temática central), quando é oriunda da União Soviética. É, em especial, uma história marcada pela emigração, pelo desenraizamente que sucede à chegada a um país estranho, de que não se domina a língua e onde não há lugar de ser. É a história tantas vezes repetida pelo mundo de ontem e pelo de hoje, é a história da indiferença, da marginalização, mas, acima de tudo, da frustração de expectativas. Nesse sentido, a autora equaciona ainda outra face da emigração: a impossibilidade de regressar. O emigrado fica condenado a um limbo, não chega a ser no país de acolhimento, não pode voltar a ser no país de origem, em ambas as coordenadas é vítima de discriminação. Assim o vem a sentir Anton, irmão gémeo de Áli, quando, em criança, visita a terra natal na companhia do pai. É assim que o vem a descobrir Kóstia, o pai, quando pensa em abandonar a Alemanha e regressar à União soviética: "Não sabia que a ideia de regressar é algo que não existe". Há ainda outra frase que é lapidar: "A emigração mata".

O tempo, nesta obra, é tratado como o tempo da memória, com as suas analepses e prolepses, já que a forma como o experienciamos é muito pouco linear. Mas o tempo individual, psicológico é influenciado, determinado pelo tempo histórico. Daí que, ao traçar a sua genealogia, Áli recupere igualmente alguns momento decisivos do século XX e dos primóridios do século XXI, perspetivando criticamente a sucessão de factos que nos conduz tantas vezes a encruzilhadas perigosas. O romance leva-nos desde várias cidades da União Soviética, Volvogrado, Odessa, Moscovo, até ao sul da Alemanha, mas também, e uma parte importante, a Istambul, onde tanto Anton como Áli desembocam e por onde se deixam ficar até ao tempo que antecedeu o golpe de estado de 2016. As personagens são desenraizadas e não parece haver maneira de resolver essa lacuna, o que faz que sejam personagens em trânsito, que procuram algo e que se procuram a si mesmas.

Este é um livro importante. Há dias, nesse palco efémero que é o facebook, li uma frase, de que não consegui fixar a autoria, que dizia que os livros servem para nos fazer pensar. Este livro cumpre bem esse papel. Leva-nos a (re)pensar o mundo em que vivemos, coloca-nos no lugar do outro, humaniza-nos para que façamos frente a tanto discurso de exclusão, de xenofobia, de medo, de intolerância que, cada vez mais denodadamente, se faz ouvir. É um livro que nos responsabiliza. Como dizia e bem o papa Francisco, quando não conseguimos encontrar os culpados, então todos somos culpados e, tantos de nós, protegidos pelos direitos que conquistámos, esqecemo-nos que neste mundo torto ainda há tanta gente a viver de forma indigna, esquecida, marginal. Também é importante, porque nos desperta a curiosidade, não há ali a radiografia realista de um tempo, há sugestões, há referências, cabe ao leitor desvendá-las, aprofundá-las e explicá-las para que a verdade seja revelada.

Os livros estão em relação. Este lembrou-me dois, cuja leitura recomendo igualmente:

Wook.pt - O Ministério da Felicidade Suprema

o segundo livro de Arundhati Roy, o primeiro que escreveu e publicou, vinte anos depois do fantástico O Deus das Pequenas Coisas. (prometo um post) e 

Wook.pt - Orlando

por causa da questão do género. 

Espero ter-vos aguçado a curiosidade. Vale a pena este Fora de Si.

   

 

 

2 comentários

  • Tem muita, muita razão. A tradução é Paulo Rego. Obrigada pelo seu interesse.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub