Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

16
Mar20

#13/2020 - O meu amor absoluto, Gabriel Tallent, ler pode doer (muito)

livrosparaadiarofimdomundo

Wook.pt - O Meu Amor Absoluto

Editora: Relógio d' Água

Páginas: 347

Este livro tem sido o motivo pelo qual não tenho escrito de forma tão assídua no blog. Porque custa, custa muito e, no entanto, é crucial escrever sobre este livro e recomendá-lo.

Comecemos pelos paratextos. O título não é, como poderá parecer enganador, é, na verdade, bastante explícito sobre o conteúdo. Só que não da forma como imaginaríamos. Daí que a leitura e a verdade do título seja como um murro no estômago. Aqui pensei em não dizer isto, com receio de afastar potenciais leitores, mas fica assim como um penso rápido que é preciso arrancar sem contemplações. Esta leitura é como um murro no estômago, não uma, mas várias vezes. Já o texto da contracapa revela-nos que se trata da obra de estreia de Gabriel Tallent e... o trocadilho com o nome impõe-se. Gabriel é um talento na escrita. Uma revelação a acompanhar atentatamente. Tomemos nota.

A relação do leitor com este romance é um bocadinho o reflexo da relação que Turtle, a personagem feminina, de 14 anos, mantém com Martin: somos brutalizados pelas descrições, a violência das descrições apanha-nos tantas vezes desprevenidos como Turtle perante Martin. Ainda assim, defendemos este livro e recomendamo-lo muito. É minha convicção que a arte, a literatura, não tem de ser panaceia. O objeto artístico tem como primeira função interpelar-nos, incomodar-nos e este O meu amor absoluto cumpre com excelência esse papel. Com disse, de maneira muito feliz, a amiga que mo emprestou "É um livro que nos persegue". É verdade! Às vezes, lemos livros que apenas nos passaram pelas mãos, de que mais tarde apenas lembraremos o título na nossa enciclopédia pessoal. Mas este não, este fica gravado e, se me pedissem, seria capaz de recontar toda a história e até falar da impressão com que se fica desta leitura.

Da leitura fica uma forte impressão de silêncio, o silêncio das vítimas. Todo o texto é profundamente introspetivo. Mergulhamos a fundo no espírito de Turtle, testemunhando catarticamente a forma como a violência a moldou e a preparou para enfim a superar. Depois temos a natureza, exuberante, selvagem, pletórica que cerca as personagens de cor, de vida, de veneno, de emaranhados, de fungos. Toda a diversidade da natureza há de ali estar como reflexo do que o livro nos pretende ensinar. A omnipresença das armas, a forma simbólica como o cuidado com as armas constitui uma aprendizagem para cuidar de outros. O mar, como pano de fundo, símbolo crescente do perigo e dos escolhos onde nos podemos ferir. 

É uma leitura fácil? Não! Mas há, apesar de tudo, beleza neste texto, uma beleza estranha e que até agora não consigo definir. Sinto-me culpada quando penso que gostei deste livro, como se este não pudesse ser um livro para se gostar, como se daí viesse uma espécie de culpa. 

Quem se atreve a ler? 

Fico na expectativa de que o leiam e que, depois, venham a correr "falar" comigo.

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub