Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

03
Mai21

#14/2021 - A leste do paraíso, John Steibeck: a força dos clássicos

livrosparaadiarofimdomundo

Wook.pt - A Leste do Paraíso

Livros do Brasil

744 páginas

Emprestado

Cheguei a este livro por causa do aniversário do meu irmão: a minha mãe encarregou-me de lhe comprar um livro e ele, não fosse a coisa correr mal, orientou-me no sentido dos clássicos. Depois daquele tempo na livraria - que também era papelaria - com escolhas muito limitadas, mas ainda assim sem aqueles livros que vêm em saquinhos de organza, com títulos brilhantes e lábios vermelhos na capa, tive de decidir entre este e O último tambor. O meu irmão gosta de livros com biografia e o segundo tinha aquele carisma de ser uma redescoberta, tal como sucedeu com Stoner,  de que o meu irmão também gostou muito e que me deu a ler. Acabei por me decidir pelo Steinbeck, porque já tinha o outro e sempre podíamos fazer troca de livros.

Depois de terminar esta leitura de fôlego - começo a achar que a idade traz alguma limitação de páginas, ou pode ser a fase em que se lê - afinal são quase oitocentas páginas, mais uma vez se colocou a questão dos cem mil euros: como é que eu li tão pouca coisa de Steinbeck? Parece que só tinha lido A pérola, de que recordo a música da pérola. Lá vou eu ter de corrigir este desvio cósmico, ficou já apalavrado As vinhas da ira.

A leste do paraíso é um romance que se localiza no vale do Salinas, na Califórnia, e a ação remete para o povoamento desse vale, com raízes nos colonizadores espanhóis, passando por outras vagas de imigrantes, como os irlandeses, com a figura de Samuel Hamilton a representá-los e que surge como avô materno do próprio autor, cuja jovalidade, criatividade, visionarismo e humanidade o fazem uma personagem inesquecível; ou como os chineses que, tal como Lee, são suficientemente astutos de maneira a garantirem o seu sustento, vestindo uma espécie de figurino que se coaduna com o que se espera deles, mas não deixando de, com grande comicidade, desvendar as enormes vantagens de se tornarem criados indispensáveis. A primeira "personagem" do livro é precisamente o vale, com as suas quatro estações, distinguindo-se a exuberância da primavera da aridez, seca e poeirenta do verão, que faz do Salinas um leito pedregoso, a riqueza das cores do outono em contraste com o frio gélido do inverno, aos homens cabe-lhes adapatar-se ao meio e colher os frutos que a terra lhes permite. Da personagem física passamos para as figuras humanas, subordinadas ao tópico ancestral retirado da Bíblia - o mito fundador de Caim e Abel - repetido ao longo das páginas do romance, primeiro com Adam e Charles, ambos despertando sentimentos diferentes ao pai, o que origina o ciúme e o desejo de vingança, depois com Aaron e com Caleb, filhos de Adam, mas talvez de Charles..., marcados pelo mesmo estigma nascido das diferenças de personalidade e agudizado pelo facto de Aaron se fazer amar sem qualquer esforço.

O romance é profundamente filosófico, tocando em várias questões que se prendem com a explicação da condição humana, a visão desnuda das fraquezas, das complexidades e, embora tomando o tópico bíblico da disputa entre os irmãos, o drama existencial não estão tão bem demarcado como surge no texto bíblico, não há aqui a diferença a preto e branco entre o bem e o mal. Se Aaron é belo, branco e louro, fácil de amar, impusionado pelos melhores sentimentos, de que se destaca a compaixão, a verdade é que é demasiado inflexível, intolerante, sem capacidade de perdão, diríamos nós - no esquema de valores que fomos privilegiando, que lhe falta resiliência. É Caleb, o rimão, escuro, atormentado, muito mais perspicaz, manipulador, inteligente, sensível, obrgado a proteger-se debaixo de uma capa de indiferença, de força, de dureza que mais não faz do que evitar que seja conhecido na sua fragilidade, a não ser por Lee que, verdadeiramente, o criou e que conhece a sua natureza, tentando, ora protegê-lo, ora espicaçá-lo para que se defenda das suas próprias torutras, da forma como se vai punindo por uma culpa que nem sequer está formada, a não ser a de Caleb surgir como a figura mais complexa, logo mais ricamente humana de todo o romance. Aliás, não pude deixar de sentir que a monstruosa Cathy, egoista, perigosa, esteriotipada, verdadeira mulher demónio, condenando à perdição todos os que dela se aproximam - fez-me lembrar a descrição do polvo no Sermão de Santo António, do padre António Vieira. Em última análise, o mito de Caim e Abel é como que espiralizado, vai-se desdobrando a partir desse ponto inicial e a humanidade, no seu longo trajeto pela história, mais não faz do que glosar esses poucos versículos que se vêm - tal como explicam as próprias personagens - a tornar a história mais importante para toda a humanidade.

É impossível, num texto tão breve, dar conta das imensas veredas que se abrem nesta narrativa, riquíssima, oferecendo um mundo de interpretações e de leituras possíveis, daí que o melhor remédio seja ler, pois claro e, depois, propor um ciclo de estudos sobre esta obra. Está lá tudo o que é ingrediente para compor uma belíssima história, capaz de nos prender e de nos mudar.

Como em outras situações, recordo alguns livros que versaram a mesma história, o que só vem atestar a força fundadora do mito dos dois irmãos separados pelos primeiros sentimentos que puseram o homem contra o seu semelhante, mito que, se não fecundou a realidade, fecundou para sempre a literatura. Alguém conhece outros irmãos de papel que deem conta deste pecado original?Wook.pt - Os Dois Irmãos   Dois Irmãos

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub