Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

24
Jul21

18/2021 - Seda, Alessandro Baricco: nunca sabemos os porquês

livrosparaadiarofimdomundo

Wook.pt - Seda

115 páginas

Releitura

Há dias, ao olhar os título da estante, deparei-me com este Seda, de Alessandro Baricco. Trata-se verdadeiramente de um opúsculo de 115 páginas, com capítulos curtos, a lembrar a exatidão dos Haiku. E apeteceu-me relê-lo, o que rendeu um curto serão de leitura muito bem passado.

Tinha-o lido em agosto de 1999. Lembro-me que, nessa época, quando terminavam as aulas, ia a uma livraria e comprava sacos de livros. Deste lembrava-me nitidamente de uma intensa paixão, de uma francês fascinado por uma concubina japonesa, misteriosa e inacessível. Pois lembrava-me de pouco e mal.

Do que não me lembrava era da delicadeza deste livro, do cuidado colocado na linguagem, da forma como tudo o que acessório tinha sisdo varrido. O romance copia a subtileza e a leveza da própria seda, matéria preciosa e rara na Europa do século XIX, criando uma atmosfera insólita, exótica, etérea, feita de gestos contidos, meticulosos, pensados. Numa das passagens, diz-se que a mulher do protagonista quando tomava nas mãos uma túnica de seda era como se agarrasse o vazio, o nada e quase acontece isso neste romance, tão poético é na forma como conta a história.

Há também a diferença cultural entre a Europa do século XIX, mercantilista, civilizada, crendo-se evoluída, e o Japão, do outro lado do mundo, quase feudal ainda, profundamente cerimonioso, regendo-se por leis, regras e costumes que é preciso respeitar sob pena de se perder a própria vida, bárbaro e ritualizado, mágico e perigoso para o "estrangeiro".

O mais espantoso é como é que um livro tão breve consegue desenhar personagens tão complexas, tão fascinantes, tão exatas e tão pouco nítidas, tão misteriosas e tão, mas tão belas. Poderíamos ser tentados a julgar que a bela japonesa por quem Hervé Joncour se perde e se arrisca seria a mais bela personagem do romance e, afinal, a bela Hélene, sempre fiel, sempre presente, sempre garantida, é a que se impõe no relato, não pela beleza da sua voz, mas por ser a verdadeira ave do paraíso que Hervé, tendo-a junto dele, não se paercebe da sua grandeza.

Dentre muitas passagens absolutamente primorosas, há uma que quase explica a índole enigmática do livro. A dada altura a voz do narrador, nitidamente a voz que escolhe o que é dito, afirma que "nunca nos lembramos dos porquês" e, na verdade, neste livro, nunca ficamos a saber os porquês, ou os como...

Mas, de um livro destes, não há muito a dizer, é preciso aproximarmo-nos dele como Hervé do lago da sua propriedade, fitando nele a fragilidade da própria vida, das certezas, como quem fita a água levemente agitada pelo vento, leve e inexplicável espetáculo. Calemo-nos pois.

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 25.07.2021

    Esqueci-me de assinar.
    Graça Casimiro
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub