Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

02
Fev14

Um dia como os outros (III)

livrosparaadiarofimdomundo
            Torceu a boca.Estava na hora de preparar o almoço. Sacudiu a estranheza e a angústia que, detão pequenina, caiu ao chão e já ninguém a podia encontrar. Foi para a cozinhae voltou a esquecer-se de si.
            Abriu o frigorífico, tirou oslegumes. Descascou, lavou, partiu, deitou na panela, acendeu o fogo. A sopaestava preparada. Tirou os bifes, bateu-os, aqueceu a frigideira, deitou alho elouro, azeite e manteiga em partes iguais, deitou os bifes e não ouviu oestalar que fizeram. Não sentiu o cheiro que começou a encher a cozinha.Pensava apenas que, quando juntasse os temperos que faltavam, podia preparar oarroz e depois a salada. Pôs a mesa. Escolheu a toalha azul, aquela quecombinava com a louça, apetecia-lhe ser mais cuidadosa. Dispôs a loiça e ostalheres com precisão matemática. Estava tudo pronto para o almoço deles.Mentalmente contou os lugares, eram quatro. Estava certo.

            Saiu para a rua, inspirou, o soltinha rompido as nuvens e o brilho frio do dia de inverno confortou-a, o ventoagitou-lhe os cabelos. Sentou-se um bocadinho a sentir aquele sol. Eles estavamquase a chegar. Tinha preparado tudo com antecedência, estava tranquila.Meticulosa em tudo, sabia que não podia distrair-se com o tempo, não queriacorrer o risco de ser surpreendida agora que a determinação crescia dentrodela. Uma nuvem escondeu o sol. Ficou frio e ela sentiu-se desconfortável.Despertou, descobriu-se em si, viva, palpitante, segura, consciente. Sentiu-secoincidente, estava nos gestos inéditos que se haviam de seguir. Deixou defuncionar em automático, deixou de estar ausente. Estava dolorosamente ali.Sabia, como se se olhasse a um espelho, da ruga vincada na testa, dos olhosbaixos e fixos, do amadurecimento do corpo, da ausência da alma, da crateravazia que era a sua vontade, da estranheza que lhe embotava os sentidos. Comose nascesse de novo, levantou-se. Reentrou em casa, percorreu cada divisão,inventariando a ordem, os objetos, as cores, o silêncio. Tinha deixado o seumundo em ordem, mais uma vez, cada coisa ocupava o seu lugar, sabê-lo encheu-ade prazer. Agora via as coisas, que surgiam duras, concretas, dimensionadas noespaço. Entrou por último na cozinha e os cheiros atingiram-na, inspirou edissecou-os: alho, louro, primeiro, depois o cheiro da sopa e como última notao cheiro da limpeza. Era um dia como os outros. Saiu, deitando o último olharsobre as coisas.

Pág. 2/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub