Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

11
Mai20

Viagens na minha estante #1

livrosparaadiarofimdomundo

A COVIDa obrigou-me a muita coisa - nem todas fáceis - sobretudo no que diz respeito ao meu trabalho (mas não foi disso que eu vim falar aqui), uma delas foi voltar-me para a minha casa, uma espécie de regresso às origens de onde parece que tinha saído há muito tempo. É verdade, descobri que os últimos dez anos pelo menos - não não estou a exagerar - estive como visitant em minha própria casa, vivendo-a e tratando-a como uma espécie de área de serviço, onde vinha ter quando fazia uma pausa na viagem que, juro não saber, não sei onde me anda a levar.

A propósito dessa redescoberta - que passou pela descoberta chocada de que o pó, as teias, o bolor têm tendência a instalar-se - limpei, limpei, tenho limpado. Até que cheguei à estante - uma das - onde guardo os meus livros. E não é que me surpreendi? Ficam a saber que há A rapariga que roubava livros, A mulher que ama livros e a mulher que compra livros - eu! Descobri, quando separei as águas, cerca de sessenta títulos que tenho em casa e que ainda não li. Descobri livros de que gostei tanto, que também separei para reler - ai, ai, as coisas que eu digo, mentindo a mim mesma. Descobri ainda livros que li e que sinto que não li. 

Cheia de boas intenções, separei esses livros, coloquei-os num lugar bem visível que passarei a tratar como uma prateleira de uma livraria, dando início, a esse propósito a uma série de posts  a que darei o título de Viagens na minha estante, prometendo tirar o pó, as teias e o mofo a estes negligenciados da minha leitura. 

Adivinhem o que fiz, depois dessa sessão intensa de limpeza, selecionei 12 títulos para a minha lista de desejos numa livraria virtual. O que é me apetece? Comprar livros! 

Não tenho emenda!

11
Mai20

#19/2020 - Arde o Musgo Cinzento, Thor Vilhjálmsson

livrosparaadiarofimdomundo

Wook.pt - Arde o Musgo Cinzento

Editora: Cavalo de Ferro

Páginas: 243

Através da literatura e da televisão já estive muitas vezes na Islândia e é um retorno que agradeço. Arde o musgo cinzento - que título belíssimo, com a grandeza que o relato nos inspira - foi uma estreia na edição em Língua Portuguesa, proporcionada pela Cavalo de Ferro, corrigindo uma lacuna que impedia o público português de contactar com mais um dos nomes maiores da literatura nórdica. Tal como indiciado pelo título - ao qual me rendi quando o vi exposto na livraria - todo o romance é perpassado por uma espécie de enigma que nos mantém os sentidos aguçados, tal como o musgo que tutela a história, os tons são cinzentos, densos, enredados, intensos.

A ação acompanha a viagem de Ásmundur - que é juiz e poeta - pelas paisagens islandesas até chegar a uma aldeia remota, mais quinta do que aldeia, onde foi cometido um crime que ele deve julgar. Ao longo da sua estadia, o juiz poeta, ou o poeta juiz - é difícil saber qual o papel em que a personagem mais se empenha - tem como interlocutor o pastor da aldeia e o primeiro confronto sucede devido a estas duas persanagens moldadas por circunstâncias tão diferentes. 

A narrativa é pouco linear e funde nas suas páginas as memórias de Ásmundur e dos dois irmãos - atenção à figura feminina - acusados do crime; as cartas do pai de Ásmundur, também magistrado, que o instruem a desempenhar este papel no qual se vem a estrear; dois crimes, dois assassínios motivados pelo amor; a temática do incesto e dos sentimentos que escapam aos sistemas de valores estabelecidos; a maternidade e o abandono; o amor trágico; a tragédia da própria existência humana em meios tão hostis e tão remotos; a grandeza das paisagens islandesas; o gelo, a neve, o sol, o verão e o outono; a impiedade da natureza e dos homens; a poesia e a linguagem despojada, fria e estéril das atas de um julgamento. Tudo isto atravessa estas páginas, mas é-nos dado numa linguagem poética, a roçar o sublime, marcada pelo ritmo da própria poesia, mas também do respirar desse grande mundo gelado e ao mesmo tempo vibrante da Islândia. 

O autor não nos facilita a vida, não nos presenteia com um relato linear, objetivo, simples e, no entanto, também não se pode dizer que o tenha complicado ou enredado, ou emaranhado. O que acontece nestas páginas é semelhante a um momento em que alguém nos coloca a mão no braço e nos pede que escutemos, que aprendamos a perspetivar, que não julguemos apriori, que aceitemos que há cirscuntâncias que, ditando os destinos, podem muito bem escapar à nossa compreensão, devido ao lugar de onde olhamos.

Gostei muito, muito deste livro, é um outro campeonato, definitivamente da primeira divisão. É um teste, um desafio, é literatura no seu melhor - versátil, complexa, interessante, universal e tragicamente humana. Silêncio, que a se vai ler literatura: prosa e poesia.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub