Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

23
Jul20

#27/2020 - A Educação de Eleanor

livrosparaadiarofimdomundo

Wook.pt - A Educação de Eleanor

Porto Editora

328 páginas

 

Tenho lido pouco, muito, muito pouco. Como desenvolvo sentimentos de culpa quase por respirar, tenho-me sentido culpada. 

A Educação de Eleanor foi o último que li. Começou a um ritmo muito bom e depois de repente foi isto, parei, bloqueei e tenho vegetado mais ou menos estupidamente quando chega a casa. Às vezes, nem tento.

É um livro que recomendo, muito pela construção da personagem de Eleanor, mas também pela forma como o narrador consegue ir levantando o véu acerca da personagem ao mesmo tempo que a própria persongem empreende o caminho no sentido de se libertar dos traumas e medos do passado, aceitando abrir a sua vida a outras pessoas, o que lhe vai permitindo conhecer-se, aceitar-se, lembarar-se e perdoar-se. É uma história bonita, interessante, envolvente, que, efetivamente, nos prende. Dica muito importante: não vá ler as últimas páginas, só porque se entusiasmou, digamos que há ali um pormenor que convém não perceber antes do tempo. Esta dica é muito, muito importante. Eu sei, porque li as últimas páginas e ainda hoje não me perdoei.

Eleanor tem uma visão do mundo e dos outros muito particular, que surge expressa numa linguagem corretíssima, educadíssima. No entanto, essa visão é desconcertante, porque a Eleanor é desprendida da opinião que os outrso possam ter dela, ainda que ela tenha opiniões muito asserivas acerca dos outros. Mas é também um pouco naif, tem muito medo e ergueu à sua volta toda uma complexa estrutura cujo único objetivo é protegê-la do sofrimento que a "estragou", ao mesmo tempo que se dedica a expiar uma culpa misteriosa, que é preciso ler o livro para perceber.

Ora aí está ma coisa que aprecio num livro: as personagens fortes, verossímeis, humanas. Vou fazer uma galeria de personagens. Já lá tenho a Maria Eduarda, a Britt-Marie e agora a Eleanor.

Se procura uma quase leitura de verão, em que as coisas sérias vêm embrulhadas num papael bonito, não hesite, espreite a educação de Eleanor. Quanto a mim, vou tentar ler um bocadinho. 

23
Jul20

Post sem livros lá dentro #4

livrosparaadiarofimdomundo

Sou uma pessoa de bloqueios. Quando desenvolvo um, nunca mais me livro dele.

Há sítios onde deixei de ir, casas onde não entro, a menos que tenha de salvar alguém e mesmo assim... Hoje apetecia-me pizza para o jantar, mas, como não estavam reunidas as condições para conduzir até à pizzaria e esperar no carro enquanto uma das crias ia buscar a pizza, comi sopa de peixe que havia em casa. Não consigo ir buscar pizza, acho logo que o esforço é demasiado. Não sei.

Serve esta introdução para dizer que não vinha ao meu blog há muito tempo e fui percebendo que isto corria o risco de ser um bloqueio dos meus, depois abandonava isto e, de cada vez que visse a palavra blog a cruzar-se comigo, sentiria um aperto no coração, outro no estômago, porque teria consciência de que tinha deixado alguma coisa para trás.

Hoje vim aqui. Escrevi estes pensamentos soltos, regressei a mim, ao gosto de escrever e vou pensando nos gestos. As teclas são suaves, deixo as palavras fluirem da mente para as pontas dos dedos. Vou divagando. Penso nas plantas e imediatamente me vem à memória - como as madalenas do proust - os versos de Ricardo Reis: "Segue o teu destino,/Rega as tuas plantas,/Ama as tuas rosas./O resto é a sombra/De árvores alheias./A realidade/Sempre é mais ou menos/Do que nós queremos./Só nós somos sempre/Iguais a nós-próprios. O que eu gosto destes versos, o que eles me inspiram da placidez de Reis, da mediocritas clássica. É um anseio, um sonho, abdicar e ser rei de mim mesma. Como é que isso se faz? Como é que nos deixamos ir, tratando tudo como "a sombra de árvores alheias".

E penso nisto, na lição de Reis, e desce sobre mim essa calma e penso que podia desenvolver um bloqueio às resposabilidades que me esmagam, ao trabalho, à dificuldade em respirar normalmente.

Vou procurando nichos nos dias: bebo o café à janela aberta, sinto a frescura da manhã e contemplo as plantas. Hoje o hibisco tinha uma flor exuberante, à noite quando regressei aquela florescência tinha mirrado. Efémera, breve, frágil. Que lição de vida! Quando conduzo, embedo-me da luz destas manhãs de verão. Gosto do verão, por causa da luz, do ar, do contraste entre o calor e a frescura. Sento-me lá fora enquanto o dia cai e escuto os pássaros doidos a cantar e a acomodarem-se nas tileiras. Os cães ladram doidos por não os poderem alcançar e tenho um daqueles momentos em que sinto que a vida está "arrumada", tudo encaixa e enfim repousa/repouso. Bebo o chá, preto, forte, à inglesa, com uma nuvem de leite, mesmo nos dias quentes devolve-me alguma coisa beber aquele chá.

Coitado de quem hoje cair na asneira de me ler. Só espero que não crie um bloqueio, já eu, quebrei um. 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub