Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

13
Mai20

#20/2020 - Essa Gente, Chico Buarque

livrosparaadiarofimdomundo

Wook.pt - Essa Gente

Editora: Companhia das letras

Páginas: 194 páginas

Estou um bocadinho zangada com o Chico Buarque. Não estou muito, porque afinal ele é o Chico Buarque e escreveu Ópera do Malandro; Estorvo, Budapeste e Leite Derramado, além de ter letras para canção que são poesia pura e bela, sublime mesmo. 

Já tinha ficado ligeiramente amuada com O meu irmão Alemão, mas depois fiz as pazes com ele, por causa ds documentos que anexou no final do livro, revestindo aquele relato de uma humanidade que me comoveu.

Este Essa Gente parece o país que talvez o escritor queira retratar, é um romance um pouco à deriva. Não é por ser fragmentário - eu adoro a fragmentação como estratégia narrativa; não é por fazer uma colagem de diversos modos discursivos - eu aprecio imenso essa capacidade num escritor; não é por o seu protagonista ser um anti herói - os anti heróis na sua tragédia, ou comédia, por vezes erguem-se com mais convicção do que os ditos heróis perfeitinhos e arrumadinhos sem uma vacilação, sem uma falha, nem sequer, como costumo brincar, um joanete para introduzir uma nota de imperfeição. Não pode, por isso, ser a isso que se deve este meu estado de "só isto", Chico - posso tratar-te assim, não posso, afinal já passamos tanta hora juntos? Mas é mesmo só isto.

É este o romance do Brasil governado pelo Bolsonaro do vosso e do nosso descontentamento? então vou ali num instante voltar aos teus sambas, às tuas canções comprometidas. Ficas a saber que não és o primeiro que atraiçoa a minha paixão/devoção por um grande nome da literatura. O Vargas Llosa já o tinha feito com as suas Cinco Esquinas. O teu escritor em crise parece demasiado indiferente, demasiado alheado do que o rodeia, fecha as persianas, sim, mas preocupa-se apenas com o próximo engate. Está arruinado e tem um bloqueio criativo... mas não chega.

Eu perdoo-te, porque te amo, muito. Mas é difícil, é muito difícil. Aqueles que colocamos no Olimpo é para lá permanecerem, idolatrados pelo nosso fascínio, não é para virem por aí abaixo com obras assim assim.

Pode ter-se dado o caso de eu não ter percebido nada. Há essa hipótese. Vou agarrar-me a ela.

Até sempre, Chico Buarque.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub