Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

29
Abr21

#23/2021 - Ecologia, Joana Bértolo - o bom, o mau e o não se sabe bem.

livrosparaadiarofimdomundo

Wook.pt - Ecologia

Editora Caminho

Páginas - 504

O bom:

  • a capa, é lindíssima.
  • a qualidade do papel;
  • a ideia original do livro: criar uma distopia, na qual, num futuro não muito longínquo, teríamos de pagar pelas palavras, a forma como se chega à implementação de um plano para a humanidade através da criação de um clima de medo, como forma de levar as pessoas a aderirem mansamente ao que lhes é imposto;
  • a ideia da mulher-eco, como gadget perfeitamente inútil, espelho da vacuidade e da vaidade;
  • a diversificação dos modos do discurso verdadeira carnavalização da literatura, o pastiche, a paródia, o intertexto;
  • o trabalho por trás do livro, a pesquisa, a composição, o conhecimento da autora;
  • a arrepiante atualidade, a forma quase oracular como o livro reflete a nossa realidade neste último ano e alguns meses;
  • a transcrição de notícias reais, de aparente surrealismo, mas a acontecerem nos dias de hoje, em que, quem tem dinheiro se permite prazeres e gostos absurdos, só porque são compráveis e têm um preço;
  • algumas passagens do livro, pérolas da linguagem, frases musicais, ritmadas, surpreendentes;
  • a intenção, ou pelo mesmo, o valor pedagógico do livro, grito  no meio da cacofonia presente, chamada de atenção para o rsico em que efetivamente vivemos.
  • já disse a ideia que dá origem ao livro?

____________________________________________________________________________________________________

O mau:

  • a extensão do livro, são páginas, senhores, páginas e páginas, não era preciso tanto, mais nem sempre é valor;
  • a dispersão da história, embora a contemporaneidade tenha trazido a desagregação da narrativa, formas surprrendentes de "montagem", mais ou menos fragmentárias, mais ou menos elípticas, menos menos lineares, é preciso um fio, é preciso uma ideia, é preciso um desenlace, mesmo que sob a forma do final aberto, a narrativa que não se fecha sobre si mesmo, mas sentir que se faz sentido;
  • a desagregação das próprias personagens, nenhuma delas verdadeiramente inesquecível, nenhuma delas verdadeiramente autêntica, todas erráticas, todas amputadas de uma humanidade que, às vezes, nos leva a apaixonarmo-nos, a sofrermos, a vivermos a vida de outrém só porque a personagem romanesca se ergue perante nós, esmagadoramente concreta, ainda que tecida de palavras;
  • a narrativa errática, confusa, redundante, prolixa -  é isso prolixa;
  • o virtuosismo quase barroco, o gongorismo, o cultismo, sem chegar a atingir o concetismo, a concetualização, redundando quase numa opacidade desnecessária;
  • o excesso de recursos sem evidente significado na obra, a não ser a mera acumulação.
  • a oportunidade quase perdida enquanto distopia, tanto, tanto que se podia fazer com a questão da linguagem...

____________________________________________________________________________________________________

O não se sabe bem

  • o entusiasmo, o fascínio com que se começa esta leitura;
  • o aborrecimento a que se chega a meio da narrativa, questionado-se constantemente, mas para onde é que isto vai?
  • apesar de tudo, o levar a aleitura até ao fim...
  • leiam e venham cá contar-me o que acharam;
  • foi a obra discutida na última sessão do clube de leitura e, em resumo, disse-se aquilo que aqui resumo, não houve consenso, mas o partido do não tinha mais eleitores.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub