Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

05
Out20

32/2020 - Aprender a falar com as plantas, Marta Orriols: reaprender a viver na era do luto

livrosparaadiarofimdomundo

Wook.pt - Aprender a Falar com as Plantas

Editora: Dom Quixote

240 páginas

Emprestado - este ano a média das leituras nesta modalidade vai bem, obrigada. É preciso aprender e fazer coisas novas. Não esquecer de devolver o livro!

Ultimamente o meu radar de atenção tem andado dividido entre os livros e a minha nova paixão, as plantas. Esta última tem-se mostrado um desafio muito absorvente, ou de como a minha personalidade tem traços de pessoa com facilidade em criar adições e de as somar também, porque umas não anulam as outras. Penso constantemente em ter mais livros e em ter mais plantas. Já enveredei por um excurso desnecessário, o que eu queria dizer é que a motivação para ler este livro teve a ver com o título. Isso e a recomendação de uma amiga que disse que tinha sido uma boa surpresa.

Aprender a falar com as plantas - pasme-se - tem muito pouco a ver com plantas e com a aprendizagem de falar com elas, é apenas um apontamento na história e nem muito importante, mas deu um bom título. A verdadeira história tem a ver com o percurso de Paula, a protagonista, que perde o marido duas vezes no mesmo dia. Claro que, se lerem a sinopse, vão perceber porquê, mas fica aqui a incógnita que é para terem uma motivação extra para procurarem o livro.

Na segunda vez que pede o marido, Paula não terá como o recuperar, já que a morte é uma perda definitiva. Sim, é verdade, mais um livro deste ano de 2020 que aborda o doloroso percurso que é preciso empreender para superar a perda de alguém que nos é querido, mesmo quando nos limitamos a viver com essa pessoa como se ela fosse uma velha cmaisola de lã que vestimos pelo conforto. Mas é essa a reflexão que o livro nos proporciona, a de sempre e a mais importante: é preciso valorizarmos e cuidarmos enquanto temos tempo e oportunidade. Memorando a reler a cada novo dia, essa nova oportunidade que tendemos a dar como certa, como se fôssemos imortais, eternos e indestrutíveis, depois vem a COVID-19, mas não vamos por aí, não é preciso tanto.

O desenho do romance é muito isto: um longo monólogo interior em que Paula equaciona a sua vida depois da tragédia, tentando várias soluções sem que nenhuma delas a convença já que, em caso algum, lhe devolverá o que perdeu. Mas é também uma imersão no passado, a revisitação de outras perdas que a marcaram desde a tenra infância, a rememoração do papel do pai no seu crescimento, a forma como vive o seu trabalho, ele também marcado por um jogo de sorte e azar, em que umas vezes se ganha e outras se perde, e a derrota quer dizer morte e inexorabilidade.

É um livro bonito, cuidado, sensível, cru em alguns momentos, mas que nos toca, porque todos nós, ou já vivemos a perda, ou havemos de viver - não creio que se atravesse a vida a ser apenas a perda dos outros, se assim for é porque somos daqueles a quem os deuses amam e não escrevemos textos em blogs a meditar sobre a morte, seremos sim fonte de meditação.

Leiam, porque relatos que nos devolvam a imagem da nossa efemeridade e da nossa transitoriedade são sempre oportunos para nos relembrar a lição da humildade e a chamada de atenção para amarmos mais e melhor.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub