Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

01
Nov20

#37/2020 - Aquilo em que eu acredito, Helena Sacadura Cabral - o tempo, esse grande escultor

livrosparaadiarofimdomundo

Wook.pt - Aquilo em Que Eu Acredito

Editora: Clube do Autor

Páginas: 255

Emprestado, hashtag orgulho.

Este foi o primeiro livro que li de Helena Sacadura Cabral, personalidade que tenho vindo a admirar à distância. A leitura confirmou essa impressão de uma senhora cuja verticalidade é possível ir pressentindo aqui e ali. Curiosamente, o que mais gostei no livro - assim gostar mesmo, aquelas coisas que nos tocam, foi o seu início e o seu fim. Explico melhor. Logo no início, a autora faz um excercício curioso, uma espécie de autorretrato, indicando sete coisas de que gosta e sete coisas que detesta. É um exercício que podemos fazer também e comparar os "cromos". No final, inclui um poema maravilhoso-realista sobre este nosso Portugal, tão fácil de amar, mas pelo qual não podemos deixar de lutar.

Não resisto a citar o poema

"Metade de Portugal 

É alegria

A outra metade

Melancolia.

Metade de Portugal 

É esperança

A outra metade

Desconfiança.

Metade de Portugal

É solidão

A outra metade

É festa.

Metade de Portugal

É turbilhão

A outra metade

Silêncio.

Quem dera que Portugal

Fosse apenas a metade

Que o país precisa ser!"

Entre estes dois momentos, temos um conjunto de textos, pequenas crónicas, que analisam episódios dispersos da vida social e económica de Portugal, sob a perspetiva de Helena Sacadura Cabral. A autora é muito lúcida, equilibrada, justa e crítica. Sendo economista de formação, tem sobre os anos tumultuosos da crise de 2011 uma visão mais desapaixonada do que a maioria de nós, porque sabe exatamente do que está a falar. A este respeito, é óbvio que o livro se torna muito datado, Vítor Gaspar já não é ministro das finanças, a Geringonça tem governado o país, a troika foi-se embora, o país ficou mais pobre, a nu ficaram muitas das nossas fragilidades culturais, o país recuperou, quando a recuperação ia a todo o vapor, veio a COVID-19, mas ao menos não foi só para os países periféricos e estamos de joelhos outra vez. Eis em traços largos o resumo da última década - sim, é isso mesmo, trata-se de uma década.

No entanto, como acontece com outros textos, há neste livro muita coisa que se mantém dolorosamente atual e há outras que convém relembrar. Temos tendência a ter memória de peixe para os acontecimentos que agitam a nossa sociedade e não é raro ouvirmos as mesmas pessoas a dizerem o contrário do que afirmaram publicamente. Atenção que não há problema nenhum em mudarmos de ideias. Deus nos livre das pessoas que pensam sempre da mesma maneira. O problema é mudar-se de ideia dependendo do lado em que nos encontramos. Se somos oposição, somos contra, se somos governo, a culpa é do passado...

Em termos de objeto de leitura, o livro é daqueles que eu gosto para ir lendo entre outras coisas . Como são pequenos textos, pode ler-se em qualquer lugar, independentemente do tempo disponível. Já disse e repito que gosto sempre de ter um livro com esta estrutura à mão para aproveitar pequenos instantes em que posso ler. Por falar nisso, estou aberta a sugestões.

Ler este livro é revisitar anos recentes da nossa história e também da história europeia e mundial e ver como as coisas evoluíram, ou regrediram. Nuns casos, o pior cenário confirmou-se, noutros -como foi o caso dos dias negros em que se negociou o resgate de Grécia, o susto foi grande, o preço elevado, mas a Europa sobreviveu ao terramoto. Quem diria que o projeto Europeu teria a sua primeria brecha por causa do brexit? É por estes motivos que é uma leitura interessante. A crónica do quotidiano é importantíssima para os balanços. A História é escrita posteriormente e a equação tem fórmula resolvente. O calor dos acontecimentos expresso nestes tipo de escrita é um documento histórico por si só e deve ser ianlienável.

Gostei. Amanhã deixo-vos o meu exercício à imagem de Helena Sacadura Cabral.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D