Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

09
Nov20

#39/2020 - Butcher's Crossing - Jonh Willimas: o vazio dentro de nós

livrosparaadiarofimdomundo

Wook.pt - Butcher's Crossing

Dom Quixote

304 páginas

Emprestado.

Regressei a Williams por interposta pessoa, que me emprestou generosamente o livro. Tratou-se de uma confirmação, se gostei de Stoner, se delirei com Augustus, voltei a deslumbrar-me com este Butcher's Crossing. Estou rendida a Williams. Que mestria, que domínio da linguagem, que inteligência. Perante este livro, temos uma experiência do belo sem que nele haja a descrição da beleza; do sublime, apesar das personagens estarem em queda; da grandeza, ainda que tudo seja rude e precário; do épico sem que haja heróis. 

O ritmo desta escrita é uma imersão na intimidade, devido à ancoragem da história sob o ponto de vista de William Andrews. É sob o olhar deste jovem de Boston, que chega a Butcher's Crossing à procura de uma autenticidade que ele acreditou poder encontrar na franja da civilização. Há aqui uma espécie de mito do eterno retorno, o homem civilizado e aculturado que procura a origem, o éden, a perfeição perdida algures no movimento da evolução. Andrews chega o limite da civilização naquele povoado precário em construção, assente no negócio das peles de búfalo. A riqueza conseguida com esse negócio radica na mais extrema violência do homem contra a natureza, visível nas carcaças de búfalos que pontuam a paisagem, numa atitude predatória que dá ao romance o primeiro cunho universal, atualizando-o nas muitas preocupações com a sustentabilidade que fazem parte do nosso quotidiano. A exploração desenfreada dos recursos e a consequente precipitação na ruína e na degeneração são ciclos económicos que se têm sucedido desde há muito. Regressando ao tópico aqui apontado, o livro leva-nos a uma descida ao mais profundo da alma do homem, numa interrogação que é de índole filosófica: que há dentro de nós, que nos impele e que nos define. A esta questão o livro vai responder com uma crueza que é existencialista. A resposta está nos olhos de todos aqueles que acompanham Williams nesta descida aos infernos.

Há, depois, um outro momento em que se define um outro motivo do livro: aquele em que, atravessando a planura sem fim da pradaria, torturado pela sede e pela fome, numa situação-limite muito próxima da aniquilação, Andrews dá-se conta de um desprendimento de si mesmo, uma espécie de dormência em que paira, semiconsciente, adormecido, ao mesmo tempo que se tranfigura e se metamorfoseia. Essa ideia de metamorfose vai pontuando o percurso desta e doutras personagens. Em Miller, enquanto abate os búfalos, em Charley, depois da tempestade, em Wiliams depois dessa travessia, mas também depois do regresso a Butcher's Crossing, após a expedição em que participa para caçar búfalos. Mas a metamorfose é constante, é imagem também da própria natureza que, mudada devido a um forte nevão, se afigura estranha e hostil, sem referências, ferindo os olhos pela luz intensa e a mente pela impossiblidade. É a metamorfose também daquele sistema económico, precário e incerto, que acentua ainda mais a desagregação destas figuras, a quem, uma vez mais foram supridas as coordenadas que orientam a sua existência.

Butcher's Crossing assume também um recorte épico, não só por equacionar a coragem, a força, a resliência do homem, "bicho da terra tão pequeno", face à grandiosidade e força da própria natureza. Mas esse recorte vem também da descrição a largos sorvos da grandeza da paisagem do oeste americano: as montanhas inóspitas, o vale só brevemente pisado pelo homem, a pradaria infinita, a força da tempestade e, "pormaior", o facto de a natureza ser capaz de apagar os vestígios dessa presença estranha, sem que possa anular a marca da morte que a ganância deixa perpetuada na paisagem, são de novo as carcaças dos búfalos, abandonadas aos abutres, aos insetos, aos lobos.

Poder-se-á perguntar, porquê ler um livro sobre o oeste selvagem, numa visão que desconstrói muitos dos mitos a ele associados? Por isto: pela sua universalidade, as grandes questões que o romance coloca, respondendo ou não, são tranversais à existência humana, deixando-nos numa espécie de encruzilhada. Na verdade, naquela expedição, Miller vai em busca do passado, Andrews vai em busca do futuro e nem um nem outro encontram aquilo que procuravam. E ainda por isto: pela sua atualidade, seja pela efemeridade dos ciclos económicos, seja pela necessidade de repensar a relação do homem com a natureza. Mas, sobretudo por isto: pela magia desta escrita sem comparação, deste domínio das palavras com a medida certa que nos enfeitiçam como uma espécie de sortilégio. É um livro que nos prende como o anel de O senhor dos anéis.

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub