Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

13
Dez20

#43/2020 - A vegetariana, Han Kang: um livro perturbador

livrosparaadiarofimdomundo

Wook.pt - A Vegetariana

Editora: D. Quixote

Páginas: 190

Da biblioteca.

Depois de Atos Humanos,  fiquei decidida a ler os restantes títulos de Han Kang, por ter considerado que é uma escritora definitivamente interessante. No entanto, precisei de alguns meses para lá regressar, porque o primeiro livro lido foi assim para o pesado, de "digestão difícil", mesmo para mim que gosto de literatura a sério e não só de entretenimento.

Numa passagem pela biblioteca, este Vegetariana, atravessou-se-me no caminho e pensei que já podia regressar a esta autora. É um romance pouco extenso, mas, como a partícula do Big Bang, carregadíssimo de sentido. O ponto de partida do livro é mais ou menos conhecido e se não é consta da sinopse. Trata-se da decisão abrupta de uma jovem mulher de deixar de comer carne, sem que se pressentisse o enorme impacto que essa decisão tem sobre as pessoas que com ela convivem. A estrutura do texto é fragmentária, como voltará a ser em Atos Humanos, já que este último é posterior a este romance. São três os pontos de vista assumidos: o do marido, o do cunhado e o da irmã, visões complementares dos efeitos trágicos que esta decisão tem sobre a vida das personagens.

O que, de facto, me agarrou neste livro é a forma como cada uma das personagens vive imerso na sua bolha existencial, é um livro sobre a incomunicabilidade. Yeong-hye não consegue explicar a sua opção, à partida porque sabe que não será compreendida, e não é, ninguém a consegue compreender, embora ninguém fique indiferente. Quem se aproxima mais dessa compreensão é a sua irmã, que se vai apercebendo que a pressão que o quotidiano exerce sobre ela é da mesma índole do exercido sobre a irmão, só que a segunda se deixou ir, cedeu a essa pressão e, indiferente a todas a formas de pressão, tentou encontrar uma saída para todas as formas de violência com que foi convivendo. A dada altura, no romance, afirma-se que as personagens se moviam como se estivessem no vácuo e esse dado permite descrever a impresão com que se fica do livro: cada uma das personagens ensimesmada, introspetiva, voltada para a a sua vida interior, tragicamente só, embora partilhando espaços, vidas, sexo, alimento. Todos se desconhecem, todos se (in)compreeendem, todos embatem contra o limite invisível da bolha em que vivem suspensos.

Há outro aspeto, que se prende com a forma como todos tentam "ajudar" a vegetariana, mas todas essas ajudas são outras tantas formas de violência: a do pai, a do marido, a do cunhado, a dos enfermeiros, a dos médicos, porque todos a querem forçar a voltar à tribo, a fazer parte, a adotar a mesma forma de viver, a reintegrar-se. A vegetariana resiste até abdicar da própria vida. Não quer comer carne, não quer comer de todo, quer ser árvore como forma de evitar toda a violência com que foi vivendo. Esta é a grande questão que o livro me colocou, quando temos a pretensão de salvar os outros, a apartir de que momento isso não é afinal uma forma de os condenarmos, de lhe impormos um sofrimento bem maior do que a morte? 

Por fim, tal como na outra leitura, é a lingugem, senhores, a linguagem é um supremíssimo íssimo íssimo bem na escrita de Han Kang. Apesar da crueza, do choque, da repugnância até, que visceralmente experimentamos na leitura, tudo é emoldurado numa expressão linguística que é quase poética, inefável, sublime. Daí que este livro seja, ainda assim, um texto belíssimo, estético e ético sobre a nossa miséria humana.

Mais um livro que é muito mais literatura que entretenimento. Vamos ao terceiro da autora? Vamos, pois.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub