Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

29
Dez20

#46/2020 - O velho que lia romances de amor, Luís Sepúlveda: o post mais sustentável do ano

livrosparaadiarofimdomundo

Wook.pt - O velho que lia romances de amor

Editora Asa

110 páginas

Porque é que este post é o mais sustentável do ano? Porque foi um livro emprestado por uma querida amiga, que o comprou em segunda mão - o livro até traz uma dedicatória: "À minha querida vovó, com votos de muitas felicidades. Beijinhos. Paulinha. 24-7-99", não é maravilhoso? - e, por último, é uma releitura. Entretanto, o exemplar que eu tinha perdeu-se nas malhas que os empréstimos tecem, o que me faz acreditar que também se trata de um reaproveitamento. Se isto não é reutilização e consequente sustentabilidade, não sei o que seja. Espero que a Greta Thunberg esteja a ler este post e redima toda uma geração. Mas, não deixa de ser interessante traçar estas biografias dos livros. Não sei se um ficheiro PDF ou um e-book conseguiria a mesma proeza, estou só aqui a questionar-me.

Este deve ser o livro mais conhecido de Luís Sepúveda, esse saudoso escritor que o traiçoeiro 2020 e o sua melhor amiga, a COVID-19,  nos levaram. Já não consigo precisar quando o li, mas foi há muitos, muitos anos. Lembrava-me muito bem que havia uma onça, não me lembrava tão bem como é que Sepúlveda, antes da Greta, já nos alertava para a exploração desenfreada da natureza e do nosso planeta. Depois, no Brasil, esse país que suponho maravilhoso, exuberante, nada parece mudar e o assalto aos recursos continua a fazer-se desenfreadamente, bem como o encurralamento das poucas tribos índias que vão sobrevivendo a estes desmandos.

Efetivamente, a ação desencadeia-se quando um idiota mata os filhotes da onça e fere o seu macho. Há toda uma alegoria à volta disso. No confronto entre o velho e a astuta onça temos duas faces de um mundo autêntico e equilibrado que agoniza. Homens e animais deixaram de coexistir em harmonia, num mundo em que a exploração dos recursos obedecia ao conhecimento desse necessário equilíbrio e não em função de uma ganância descontrolada. Ficaram-me desta vez perfeitamente marcados os últimos momentos do livro, aqueles em que o velho e a onça representam o último ato. O final do livro é tão bonito, tanto a onça como o velho são de uma dignidade a que muitos de nós aspiram e, além disso, os romances de amor, os livros, as palavras bonitas surgem como forma de sublimação da barbárie que cerca a Amazónia.

Creio, desde há muito, que os livros são partes de uma conversa universal que se mantém através dos séculos, daí que uns nos façam pensar noutros, sobretudo quando se debruçam sobre a própria universalidade, a humanidade, aquilo que procuramos - provavelmente desde o momento em que nos tornámos sapiens. Este O velho que lia romances de amor não pôde deixar de me remeter para O velho e o mar, de Hemingway. O homem e a natureza, o engenho contra a força primordial que habita o nosso planeta e que é encessário preservar, estimar, admirar e, já agora respeitar. 

E pronto, não podia haver mesmo um post mais eco-sustentável do que este. Recomendo também o documentário de David Attenborough, já que cavalgámos esta onda. Mas primeiro leiam este livrinho, que se conta entre os pequenos prazeres, mais um bombom de Natal.

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub