Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

11
Fev20

#8/2020 - A arte de chorar em coro, Erling Jepser: para ler já!

livrosparaadiarofimdomundo

Wook.pt - A Arte de Chorar em Coro

Editora: Cavalo de Ferro

Páginas: 211

Género: romance picaresco/de aventuras... ou outra coisa qualquer.

Para Guardar

O livro todo, em bloco, só assim é que ele faz sentido.

Estou absolutamente desconcertada com este livro! Quase que me apetece dizer que não tenho estudos para isto. Atenção, eu adorei o livro. Não é qualquer um que consegue numa moldura quase lhana, simplista, abordar assuntos complexos; não é para todos falar de atos brutais, de crueldade sob um manto diáfano de inocência, humor e sensibilidade. Este romance é - não duvidem por um segundo - uma verdadeira obra-prima. Mas, mesmo assim, estou desconcertada e abalada.

Vamos por partes.

Parece que Erling Jepsen se estreou tardiamente no romance (nasceu em 1956 e só publicou o primeiro romance em 2002), mas, antes disso, escreveu muito, muito teatro e, de facto, foi escola que aproveitou sobejamente na composição deste A arte de chorar em público, precisamente o seu romance de estreia, que foi adaptado ao cinema e que chegou à cerimónia dos Óscares nomeado para melhor filme estrangeiro. Não se pode dizer que seja coisa pouca. (note to self: ir a correr procurar o filme para ver).

O romance, quanto a mim, é indefinível: será de formação? serão memórias? picaresco é seguramente e as aventuras não são bem assim... Talvez nem tudo possa ser definido, talvez o primeiro encanto do livro seja esse, escapar a um formato, essa é a primeira zona de conforto que temos de abandonar nesta experiência literária. Agora que a leitura é extraordinariamente abosorvente, isso é seguramente. A estranheza do género não deixa de nos agarrar, de nos puxar para aquele vórtice discursivo que nos enreda e nos deixa perplexos, embora divertidos. Ai, mas com que amargura. Portanto, pensem num bom prato agridoce, em que ao cozinheiro lhe escapou a mão ao juntar os ingredientes amargos.

A ação é crua, alguns momentos raiam a monstruosidade, desvendando os demónios que se escondem em muitos peitos aparentemente piedosos. Todavia, tudo o que aqui é terrível é suavizado pelo facto de ser narrado através de um filtro poderoso: os olhos de um rapaz de onze anos, cuja compreensão imperfeita das coisas nos poupa imenso à possível violência do relato. Por causa disso, o romance resulta num documento comovente, em especial porque essa estratégia narrativa permite ao autor não contar tudo, deixando muito por dizer, restando-nos adivinhar e completar a narrativa. A visão que nos é dada é inocente, marcada pelo amor desta criança à sua família, pela idolatração do seu pai, pela disposição para fazer tudo para os ver bem e felizes. A verdade é que este rapaz é um Cândido dinamarquês, tanto mais autêntico quanto a sua é a candura da infância. Esta circunstância explica a veia cómica, mordaz, divertida em que a história vem embulhada.

A minha teoria é que o facto de Jepsen ter sido, antes de romancista, dramaturgo explica em grande medida a forma como o autor soube construir o romance num tom coloquial, aproximando-se ao discurso de uma criança, mantendo a sua focalização. A fluidez e autenticidade desse discurso é um dos maiores trunfos do livro. É impossível não nos enternecermos, não amarmos este rapaz, não torcermos por ele.

Apetece-me suplicar a todo o leitor, a todo o verdadeiro amante de livros que não passe por cima desta obra. É incontornável. Leiam, vai doer, mas vale a pena. 

Balancete: 2020 vai muito promissor em leituras, começo a recear não conseguir manter o nível até dezembro.

2 comentários

  • Que bom. Foi essa a intenção. Preciso de discutir o livro com outras pessoas. Fico à espera da sua opinião.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2016
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2015
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2014
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub