Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

21
Jan14

O Chá (II)

livrosparaadiarofimdomundo
            Inevitavelmente,tudo tem o avesso, do lado dela a história era diferente, tinha uma pequenanuance, que não teria importância de maior não fossem duas pequeninascircunstâncias: conhecê-las e perceber que o incomodavam, como a roupa que nãoassenta bem no corpo, como um membro dormente. Não, não, estava a dizer mal,conseguia ser mais preciso, mesmo que, ao sê-lo, não pudesse mais mascarar averdade: aquilo picava-o como um espinho grosso cravado entre a unha e a carne.Ela tinha outro homem. Correção: nunca tinha sido homem para ela, porque um sónão chegava. Outra correção, porque era o dia da verdade: ela tinha outroshomens.
            Nãoia agora fazer o mea culpa, haviaculpa? Deteve-se na palavra culpa. A raiva injetada nas veias mostrou-lhe que aculpa não era dele, questão resolvida. A culpa era dela. Havia a crónicafeminina, o manual de qualquer mulher com listas de verificação dos erros queos machos embrutecidos sempre cometeram, desde os séculos dos séculos, contraas finas flores da feminilidade, recusando-se ao culto de Afrodite. Asafrodites quando não cultuadas procuram outros sacerdotes, basta folhear ascrónicas e verificar a validade desta teoria. Homem que não oficia é ornado comchifres. A palavra voltou a encher-lhe a boca como um vómito, ainda a segurou,era cedo.
            Odia de hoje tinha sido de festa, havia festa fora e dentro dela. A festa era umbom pretexto para as suas escapadelas. Palavra bem escolhida, não é amor, nãoera amor que a movia, era o sexo, sexo, sexo, e por causa dele se esgueirava.Ficou outra vez parado na palavra e ela encheu-se de significado, corpos emchoque, rostos retorcidos, bocas abertas, mamas e cus. Era ela. Ninfomaníaca?As palavras eram curiosas. Qual seria a mais indicada, ninfomaníaca? Haveriaoutra? Havia a outra, chula, mas ainda era cedo. Ela tinha ficado na festa,quando lhe disse que vinha embora, porque cansado, fora a razão que lhe dera,porque era um chato, a razão que ela tinha compreendido, porque precisava de sepreparar, a razão porque tinha vindo. Hoje era dia de festa e era o dia da suavingança, uma festa também, com pratos frios, mas igualmente notáveis. Seriahoje, para isso se tinha vindo a preparar. Abriu os olhos, procurou os númerosluminosos do relógio, tinham passado mais do que quinze minutos, ele sabia queo tempo ia sempre à frente.

            Maisum bocadinho, mais cinco minutos, ainda há tempo. Começou a varrer a suavontade, juntou-a num montinho, pós espalhados nos vãos das portas, nadas,fiapos cinzentos, cotão, mas juntos faziam um bolo, que comeu de um trago. Deuum impulso, ergueu-se de repente, puxou as pernas para o lado, sentou-se epousou os pés no chão, sorveu o ar e fincou os cotovelos nos joelhos, pôs acabeça sobre as mãos. Deu-se conta das costas curvadas, sentiu os músculosencolhidos e a tensão nos ombros. Correção: esticou as costas, endireitou-as,abriu os braços, deixou-os cair ao lado do corpo, as mãos tocaram o tecido, eramacio como uma carne que lateja, macio, macio, macio, deixou-se ficar a afagá-lo.Respirou fundo, mais fundo, expeliu o ar, ouviu o som da sua expiração esentiu-se como uma arma engatilhada. Levantou-se, uma ligeira tonturatoldou-lhe o olhar, uma sombra escura passou. Pressionou os olhos, abriu-os epestanejou várias vezes, viu as sombras do quarto, viu o retângulo da janelailuminada com a luz amarela da rua, viu as sombras das árvores da praçadesenhadas nas paredes, agitando-se. Lá fora era uma noite de verão, morna, paraa qual era bom sair. Gostou do quarto assim na penumbra, não acender a luz, aluz é muito crua, podia enfraquecer-lhe a coragem para a vingança. Já não eracedo, era agora.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub