Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

03
Fev20

O ministério da felicidade suprema, Arundhati Roy vinte anos depois

livrosparaadiarofimdomundo

 

Wook.pt - O Ministério da Felicidade Suprema

Editora: Asa

Páginas: 464

Género: romance histórico/romance de aventuras

Arundathi Roy ganhou o meu coração com o seu primeiro livro, O Deus das Pequenas Coisas, um romance brutal sobre a Índia, sobre o preconceito, sobre dois irmãos, sobre uma família, sobre a arbitrariedade. 

Em 2018, saiu este Ministério da Felicidade Suprema, vinte anos depois da publicação do primeiro romance. Roy não publicou nenhum outro neste lapso de tempo. A expectativa acerca deste lançamento era muita, mas também havia muito receio. Quando amamos um escritor, temos sempre medo que ele nos desiluda, ou que seja aquele tipo de escritor que descobriu uma receita vencedora e que se deixa ficar nessa zona de conforto, publicando "sempre o mesmo livro", como as novelas da TVI.

Sim, sim, mas Roy não fez nada disso. Deu-nos um outro romance grandioso, que se lê obsessivamente - como eu gosto - que nos desperta a curiosidade - como eu gosto, fiquei a saber tanto sobre o terceiro género na Índia, porque este é mais um daqueles livros que me atira para pesquisas intermináveis - que nos forma e nos molda - como eu gosto, confirmei que, em alguns pontos do globo, os muçulmanos são perseguidos e massacrados - que nos desenvolve a consicência social e global - como eu gosto e, à conta disso, fui tentar perceber o que se passa afinal em Caxemira, um vale paradisíaco entalado entre três países, uma zona tampão importantíssima para o equilíbrio geoestratégico, mas cujas consequências atiram os seus habitantes de maioria muçulmano para um verdadeiro inferno.

Mas não é apenas disto que se tece este romance, é também do desenho de personagens inesquecíveis, como Anjum, dilaceradas entre a sua poesia intrínseca, a sua humanidade sublime e o preconceito, a violência, a miséria e a tragédia de se viver na Índia, onde crescem os nacionalismos exacerbados e onde a maioria hindu vai esmagando outras etnias e outros credos. O romance vive ainda do sonho e do fantástico, da conjugação de circunstâncias inesperadas, do cruzamento de vidas que pareciam afastadas anos luz umas das outras e, no fim, deixa na boca um travo doce de esperança, de superação, de encontro e de redenção, de pureza e bondade no meio do caos, da arbitrariedade e da morte.

É mais um dos livros que integro na categoria dos livros imprtantes, daqueles que nos sacodem e nos despertam.

Leiam, vão ver que doi, mas que o alívio da dor corresponde, de certa forma, a um renascimento.

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub