Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

17
Mar20

Post sem livros lá dentro - isolamento social e teletrabalho

livrosparaadiarofimdomundo

Hoje fiquei em casa, a trabalhar à distância.

Não fossem as circunstâncias que ditaram estas circunstâncias, teria sido a realização de um sonho.

Diz-se, e bem, que vivemos quase um cenário de guerra. O nosos inimigo é silencioso e invisível, mas eficaz. Ainda assim, a forma de combatermos esta guerra não é a pior. Daí que tenha, durante todo o dia, tentado encarar as coisas pelo lado positivo.

Filhos em casa, protegidos, seguros, pelo menos até decorrerem 14 dias e se o pai e a mãe, quando saírem, observarem todos os procedimentos de sgurança.

Temos papel higiénico! (não resisti).

Tomar o pequeno-almoço de pijama.

Estar com os filhos - ao contrário dos piores cenários - tem sido uma co-vivência tranquila, doce e muito divertida. A net e o filão inesgotável do humor tecido à volta desta pandemia têm sido preciosas.

Poder trabalhar. Saber que temos obrigações, prazos a cumprir, que há pessoas à nossa espera e poder fazê-lo em segurança é um privilégio!

Fazer uma caminhada - obsevando a distância social, cruzei-me com cino desconhecidos - ainda com a luz do sol. Sentir o calor no rosto, sentir a paz.

Tomar um banho à chegada a casa e vestir roupa lavada e as endomorfinas disseram ao meu cérebro que eu tinha ido à praia e eu não as desmenti.

Como cuidados de beleza, apenas operações de manutenção: limpeza e hidratação. Mesmo assim, passei creme pelo corpo, operação que, muitas vezes, às 07:00 da manhã era assegurada com o pensamento: ponho amanhã.

Cabelos como Deus quiser. Que bom. Não preciso de tentar adivinhar se os outros ao olharem para mim estão a pensar como eu que o meu cabelo é um "nojo".

O sítio onde vivo respira uma atmosfera como se fosse agosto e toda a gente tivesse saído para parte incerta. Ainda tive de franzir a testa quando passei pelo único café teimosamente aberto, onde conviviam pacificamente uma dezena de pessoas. Irresponsáveis!

Casa arrumada. Roupa passada. Cesto de roupa vazio. Isto é absolutamente inédito.

Há muita coisa boa nisto tudo. É uma questão de perspetiva. Se é isto que me é pedido. Contem comigo.

Há só um pensamento insidioso que me perturba: pensar na aflição daqueles a quem foi diganostico o vírus, os seus familiares. Os médicos e pessoal de saúde a lutarem pela vida de alguém que não consegue respirar. Os nossos governantes a quem, desde que nos lembramos, nunca tanto foi pedido.

E, ao contrário, do que acontece nos dias de rotinas militares, ainda não acertei os ponteiros com a leitura. Me aguardem.

 

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub