Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

13
Jan20

Livros que deram um filme: Brooklyn, de Colm Tóibín

livrosparaadiarofimdomundo

 

Wook.pt - Brooklyn

Gosto muito de livros que me acontecem. Quero com isto dizer, aqueles que se começam a impor nos meus interesses, de tal forma que o apelo para os ler se torna irresistível. Ao contrário do que me costuma acontecer, no caso de Brooklyn, vi primeiro a adaptação ao cinema. Devem recordar-se do excelente filme com Saoirse Ronan, que inclusivamente foi candidato ao Óscar de melhor filme, do qual gostei mesmo muito e que recomendo também.

Já ninguém deve poder ler aqui que fui à Irlanda e blá, blá, blá, livros, etc. Mas a verdade é que este livro chegou por esta via. Quando vi o filme não me apercebi que, no princípio, era o livro e, quando soube, não me apeteceu ler o livro. Errado! Mas vou aprendendo. Entretanto, não é que estive em Enniscorthy e que visitei um castelo que por lá existe, num dia de verão irlandês, leia-se de chuvinha acompanhada de uma névoa mística que nos impelia a procurar lugares cobertos e, quiçá, aquecidos. Pois, lá andávamos pelo castelo, com o seu ar de casa das nossas avós (da minha avó não, certamente), sem ninguém a aborrecer-nos e, num dos andares, o que é que existia? a recriação dos cenários do filme, cujas cenas irlandesas foram filmadas na cidade, bem como detalhes da vida do escritor, do sucesso do livro e ainda recortes de notícias de jornal que davam conta do enorme entusiasmo, euforia mesmo, que a rodagem do filme por lá despertou. Recriadas no castelo, estavam a sala de estar da mãe de Eillis e a loja onde ela trabalhava aos domingos, depois da missa. O cenário da loja era encantador, com a recriação das embalagens da época em que a ação do livro/filme se desenrola. Assim sendo, imaginam o que é que fiz tão logo pude em Portugal. Adivinharam. Comprei o livro e li-o.

Brooklyn de Colm Tóibín é um livro maravilhoso. Sóbrio, contido, uma história simples, mas com a grandeza de todas as histórias que nos colocam perante os dilemas da vida humana. Efetivamente, a maior parte das vezes, não é pela história que amamos os livros, é pela maneira como essa história é contada. Tóibín penetra profundamente na consciência de Eillis, a narrativa acompanha a sua vida na Irlanda, dependente da mãe e da irmã, sem perspetivas de emprego, como toda uma geração de jovens irlandeses que se viu obrigada a procurar no outro lado o Atlântico uma nova vida, como tantos portugueses, como tanta gente por esse mundo fora. A oferta de um emprego nos EUA mergulha Eillis num profundo dilema, pois isso implica deixar a sua família, a sua cidade, os seus amigos, as paixões juvenis que vão brotando. A descrição da viagem de barco de Eillis vale uma boa quota do livro, assim como a narrativa do seu primeiro ano nos EUA. 

Quando a vida de Eillis tinha estabilizado, quando até o amor tinha encontrado, quando as saudades de casa pareciam a cicatriz de uma ferida que não sarara, mas permitia viver, um acontecimento inesperado obriga-a a regressar à Irlanda. Aí, a humilhação que tinha conhecido por parte dos seus coterrâneos dá lugar à curiosidade e ao fascínio. Eillis é agora uma “estrangeirada”, que se refinou, que veste de maneira diferente, que representa o exótico dos que partiram e depois regressaram. E é aqui que  o dilema maior da vida desta jovem se prefigura diante dela: ficar ou partir, que promessas honrar, que escolhas fazer.

Este romance é delicado, feminino, sem que este adjetivo traga qualquer carga pejorativa, de muito agradável leitura e coloca-nos perante uma história cujos contornos nos levam a ver o outro, seja o que chega ao nosso mundo, seja o que parte dele, com outros olhos. Uns olhos mais humanos, mais compreensivos, mais compassivos. O êxodo, a emigração não é como uma viagem de lazer, é um desenraizamento doloroso, é uma aprendizagem, é um processo, é a vida com as suas alegrias e tristezas. Emigrar começa por ser escolher e as escolhas nunca são fáceis.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub