Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

29
Dez20

#46/2020 - O velho que lia romances de amor, Luís Sepúlveda: o post mais sustentável do ano

livrosparaadiarofimdomundo

Wook.pt - O velho que lia romances de amor

Editora Asa

110 páginas

Porque é que este post é o mais sustentável do ano? Porque foi um livro emprestado por uma querida amiga, que o comprou em segunda mão - o livro até traz uma dedicatória: "À minha querida vovó, com votos de muitas felicidades. Beijinhos. Paulinha. 24-7-99", não é maravilhoso? - e, por último, é uma releitura. Entretanto, o exemplar que eu tinha perdeu-se nas malhas que os empréstimos tecem, o que me faz acreditar que também se trata de um reaproveitamento. Se isto não é reutilização e consequente sustentabilidade, não sei o que seja. Espero que a Greta Thunberg esteja a ler este post e redima toda uma geração. Mas, não deixa de ser interessante traçar estas biografias dos livros. Não sei se um ficheiro PDF ou um e-book conseguiria a mesma proeza, estou só aqui a questionar-me.

Este deve ser o livro mais conhecido de Luís Sepúveda, esse saudoso escritor que o traiçoeiro 2020 e o sua melhor amiga, a COVID-19,  nos levaram. Já não consigo precisar quando o li, mas foi há muitos, muitos anos. Lembrava-me muito bem que havia uma onça, não me lembrava tão bem como é que Sepúlveda, antes da Greta, já nos alertava para a exploração desenfreada da natureza e do nosso planeta. Depois, no Brasil, esse país que suponho maravilhoso, exuberante, nada parece mudar e o assalto aos recursos continua a fazer-se desenfreadamente, bem como o encurralamento das poucas tribos índias que vão sobrevivendo a estes desmandos.

Efetivamente, a ação desencadeia-se quando um idiota mata os filhotes da onça e fere o seu macho. Há toda uma alegoria à volta disso. No confronto entre o velho e a astuta onça temos duas faces de um mundo autêntico e equilibrado que agoniza. Homens e animais deixaram de coexistir em harmonia, num mundo em que a exploração dos recursos obedecia ao conhecimento desse necessário equilíbrio e não em função de uma ganância descontrolada. Ficaram-me desta vez perfeitamente marcados os últimos momentos do livro, aqueles em que o velho e a onça representam o último ato. O final do livro é tão bonito, tanto a onça como o velho são de uma dignidade a que muitos de nós aspiram e, além disso, os romances de amor, os livros, as palavras bonitas surgem como forma de sublimação da barbárie que cerca a Amazónia.

Creio, desde há muito, que os livros são partes de uma conversa universal que se mantém através dos séculos, daí que uns nos façam pensar noutros, sobretudo quando se debruçam sobre a própria universalidade, a humanidade, aquilo que procuramos - provavelmente desde o momento em que nos tornámos sapiens. Este O velho que lia romances de amor não pôde deixar de me remeter para O velho e o mar, de Hemingway. O homem e a natureza, o engenho contra a força primordial que habita o nosso planeta e que é encessário preservar, estimar, admirar e, já agora respeitar. 

E pronto, não podia haver mesmo um post mais eco-sustentável do que este. Recomendo também o documentário de David Attenborough, já que cavalgámos esta onda. Mas primeiro leiam este livrinho, que se conta entre os pequenos prazeres, mais um bombom de Natal.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub