Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Livros para adiar o fim do mundo

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Um cantinho para "falar" de livros, para trocar ideias, para descobrir o próximo livro a ler.

Livros para adiar o fim do mundo

19
Jan20

Viajar com livros: O Velho expresso da Patagónia, Paul Theroux

livrosparaadiarofimdomundo

Wook.pt - O Velho Expresso da Patagónia

Género: literatura de viagens

Páginas: 584

Editora: Quetzal

Eu, pecadora, me confesso: a literatura de viagens não costuma ocupar muito espaço nas minhas estantes, apesar de acreditar, religiosamente, que os livros nos permitem viajar. Ora no que toca a livros de viagens estou assim com um pé na heresia.

Já conhecia Paul Theroux de O Outro Lado do Paraíso, que é um romance e que nos coloca perante um viajante que vai para Áfica procurar o paraíso que acredita existir por lá... mas hoje não vinha falar deste livro. Como sabem, gosto sempre de contar como é que os livros me "acontecem", este foi ser livro do dia na Feirado Livro de 2019 a um preço verdadeiramente de livro do dia - às vezes, estes preços são enganadores, pelo amor de Deus, um desconto de dois ou três euros até o Continente dá, ou o cartão aderente da Fnac, ou o cartão de leitor da Bertrand, para isso, não íamos à Feira do Livro. 

O Velho Expresso da Patagónia, conforme se percebe no prefácio, parte de um pressuposto diferente - segundo o autor - da maioria dos relatos de viagem, visto que não trata de um roteiro por esse território quase místico que é a Patagónia, pelo menos a ajuizar pela quantidade de relatos que aí vão buscar inspiração. Não, Theroux conta-nos mesmo a viagem que o leva de Massachusetts, onde apanha um comboio para Boston, juntamente com centenas de outros que partilham o transporte com ele, mas não o destino. Ao passo que as outras pessoas apanham um comboio suburbano para se dirigirem para o trabalho, Theroux apanha-o como etapa inevitável para chegar até Boston onde tomará um comboio intercontinental. 

O livro é composto do relato desse trajeto, estação após estação, rosto após rosto, conversa depois de conversa, longos olhares à paisagem que corre pelas janelas de cada um dos comboios.Mas, claro que não é só isso, é uma soma de pequenas histórias, é um cuidadoso relato sobre imensas circunstâncias, é um ensaio social, político e económico, é um texto de geografia, é um livro de memórias, é um estudo medidativo. Nele cabem outros géneros e outras intencionalidades. Na verdade,  resumir estas páginas a um relato de viagens é injusto para o livro, o pretexto da viagem é imagem do ato de atirar uma pedra à água e ficar a contemplar os círculos cada vez mais largos que se vão desenhando na superfície. Theroux amplifica enormemente cada um dos círculos, oferecendo-nos um relato que se lê com prazer, com curiosidade, com interesse, mantendo-nos presos ao seu livro como se de um romance de aventuras se tratasse.

Também gosto muito de livros que me permitem aprender. A verdade é que até este Expresso eu tinha a geografia do continente sul americano um bocadinho baralhada na minha cabeça. Com a curiosidade que o livro me despertou e para perceber exatamente em que ponto da viagem o autor se encontrava, sustentei a leitura com muita pesquisa na Internet. Daí que tenha ficado com um mapa muito claro desenhado no meu espírito. Ignorante me confesso, eu que achava que o México se limitava ao estreito que une a América do Sul à América do Norte, descobri que afinal este país ainda ocupa uma faixa de territória na América do Norte. O canal do Panamá, bem como o regime fiscal deste país, foram outros tópicos que esclareci. Fiquei a saber muito sobre as enormes dificuldades técnicas que a abertura do canal levantou, em particular tendo em conta o desnível entre os oceanos que une, bem como a diferença ente correntes.

Fiquei com os olhos cheios da imensidão do Lago Gatún, fiquei sonolenta com a descrição da lentidão de algumas composições, fiquei com a garganta seca de atravessar a Patagónia e exultei com o autor quando finalmente tomou o Velho Expresso da Patagónia e terminou a sua viagem - e o seu relato - e voltamos ambos para casa. Leiam este livro, eu gostei tanto que comecei a pesquisar também viagens de comboio.

PARA GUARDAR: a explicação, no início do livro, da diferença profunda que existe entre chegar aum destino depois de uma viagem de avião ou depois de uma viagem de comboio (ou de carro, ou a pé, ou de outra forma menos instantânea), sendo que segunda nos permite interiorizarmos as diferenças na paisagem, no clima, nas pessoas, nas cidades, vilas ou aldeias...

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub